Coluna Online : O Falatório
Segunda-feira, 6 de Agosto de 2007
Passando a Amizade por um funil !

 

Passando a Amizade por um funil !
 
Foram discutidos no Parlamento do Pica Pau, no habitual período antes da ordem do dia, os constantes atropelos e más interpretações que têm sido feitas relativamente aos conceitos de amizade e boa convivência, versus compadrio e relacionamentos mais íntimos entre os deputados e deputadas e entre a população de Pica Pau, em geral .
 
Segundo a intervenção da Princesa Borboleta, uma simples resposta simpática e cordial que foi feita por escrito numa sessão do Parlamento, levou a que se tivessem gerado rumores de relacionamento íntimo entre o Deputado e a Princesa. Não é que se existisse, tivesse algo de anormal, mas a falta de contexto e a sistemática forma de passar as amizades a amores, e com isso levantar ondas de suspeição inclusivé sobre a intenção de determinadas leis votadas, é um exagero.
 
Outro facto recente foi proporcionado pela Presidente da Comissão de Tabuadas do Reino, a Doutora Três Vezes Nove Vinte e Sete, que conseguiu propôr o nome de todas as Deputadas do Reino, como propostas de um suposto relacionamento do Presidente do Parlamento. Dado que é homem tem de ter relacionamento, e se não se conhece nenhum , inventa-se ! Como as mensagens que o Presidente faz às observações das Deputadas são de amizade e simpatia, foram transformadas ou entendidas como mensagens de namoro.
 
Também o Deputado Três Palmos, que como oposição ao governo, adora estas problemáticas e ainda as incendeia nos seus discursos, acabou por referir que se iria inteirar junto da Fada AKAM, de um suposto relacionamento entre dois deputados. A existir esse relacionamento, segundo o Deputado Três Palmos, isso era a evidência que a cabeça do deputado em questão anda na Lua, pelo que não estará em condições de representar condignamente os cidadãos de Pica Pau.
 
O Agente 042, na sua intervenção referiu que já efectuou alguns estudos sobre a questão, e que em investigação feita no dicionário da língua portuguesa, lê-se: Amizade-s.f. afeição por uma pessoa; simpatia; dedicação; atracção.
 
Como a explicação é um pouco abstrata foi consultado o Dicionário Prático de Filosofia das edições LPP ( Literatura de Pica Pau ), numa daquelas pilhas que há nos hipermercados a preço de ocasião.  ‘Prático e Filosofia’, pareceram-lhe na altura, conceitos de compatibilidade duvidosa, mas mesmo assim, como o preço era razoável e por vezes é preciso fingir que percebemos alguma coisa de filosofia ( nunca se sabe quem é que de repente aparece para jantar), comprou o livro.
 
Deu por bem empregue a consulta do livro, onde se lê que  Aristóteles definiu o conceito de amizade como uma relação selectiva, rara e elaborada, caracterizada pela benevolência recíproca, em que "o outro é amado gratuitamente e não pelos benefícios que posso tirar dessa amizade".
 
Também se pode averiguar esse conceito em função da idade das pessoas. Segundo o mesmo livro, temos um conceito de amizade em cada idade. Sendo um dos mais importantes valores do ser humano, a amizade é um conceito que muda com o tempo.
 
Vamos verificar o representa em cada fase da vida:
 
- até 1 ano: o outro não existe.
 
- 1 a 2 anos: a mãe é a grande amiga.
 
- 3 anos: surge o primeiro amigo, aquele com quem se brinca junto.
 
- 4 a 5 anos: amigo é bom para fazer brincadeiras. Transmite coragem e torna-se cúmplice.
 
- 5 a 6 anos: surgem as "panelinhas" na escola, divididas por sexo.
 
- 7 a 8 anos: nasce o melhor amigo. Com ele, a criança aprende a ser leal, fiel e sofre se for traída .
 
- 9 a 13 anos: o amigo é o maior confidente. Os meninos são mais unidos. As meninas são críticas e cobradoras.
 
- 13 a 20 anos: o amigo é modelo e companheiro. Nessa fase surgem os primeiros amigos do sexo oposto.
 
- 20 a 40 anos: as amizades são tipificadas. Há os colegas de trabalho, os casais amigos, os pais dos amigos dos filhos. Amizades antigas podem perder-se com o casamento ou a vida profissional.
 
- 40 a 60 anos: as amizades tornam-se eternas e os amigos estão disponíveis mesmo que não se vejam todo o tempo.
 
- mais de 60 anos: o amigo é o companheiro com quem se recordam as aventuras e os que já se foram.
 
Espera-se que fique mais esclarecida a questão da Amizade, e que sendo algo de bom o Amor e o Namoro, não se confundam as questões, nem se leve para a praça pública o que é íntimo de duas pessoas.
A amizade pode um dia dar em Amor, mas também pode e deve existir na forma genuína, sem que nunca se deva incentivar qualquer compadrio ou acto menos lícito, baseado na amizade; porque então não é amizade; é oportunismo.
 
 
 
Assinado e carimbado
 
O Escrivão Real
O Quadrado da Hipotnusa

6/8/2007



publicado por Quadrado da Hipotenusa às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

O Dia do Pai

Os Mell de Oiro

A Táctica do Mister

O Ataque dos Piratas

Ser Amigo, Namorar, Ficar...

O Ponto Acomodador, Quand...

TOY ART – Os Blue Me Now

A Invasão dos Marcianos

Na Ponta da Chibata

Atrás do Tempo !

arquivos

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds